Porque o Instagram Desativou Minha Conta?

Porque o Instagram Desativou Minha Conta?

Contas desabilitadas pelo Instagram são mais comuns do que possa parecer. Existem diversos fatores que podem levar a rede social a fazer essa suspensão, temporária ou definitiva, depende do que você fez ou pareceu fazer – sim, há grandes chances de você ter violado a política – e de seus argumentos e provas.

Neste artigo vamos explicar os motivos pelos quais o Instagram pode ter bloqueado a sua conta. Apesar de tudo está lá bem explicado na política de privacidade – quem lê isso, não é mesmo? Muito mais fácil vender minha alma aceitando os termos de olhos fechados ao criar a conta… Estamos de olho…

 

Estamos de olho

Se a sua dúvida é como recuperar a sua conta bloqueada por violar os termos, veja este artigo: Instagram: Minha Conta Foi Desativada Por Violar Nossos Termos.

As políticas nem sempre são claras e por isso é preciso interpretar até mesmo o que está nas entrelinhas. Aqui registrei aquelas infrações que são tão comuns que até parece que é permitido, de tanto que a gente vê por aí, mas na verdade não é. Confira:

 

Principais infrações dos termos de uso do Instagram

 

Uso de “bot”

 

Diversos objetivos levam alguém a criar uma conta no Instagram e um deles é publicidade. Seja para divulgar produtos e serviços de uma empresa ou para produção de conteúdo digital que seja no futuro, rentável. Digo no futuro porque o alcance e engajamento nessa rede organicamente é um trabalho de longo prazo que exige muita constância e disciplina. Ao menos que você contrate um bot (web robo) para conseguir seguidores mais rapidamente. Pronto, já violou uma das políticas.

Você não pode fazer algo que interfira ou afete a operação pretendida do Serviço.
Isso inclui criar contas ou coletar informações de modo automatizado sem nossa permissão expressa.

É muito comum as pessoas fazerem isso no começo, e mais comum ainda robôs serem oferecidos garantindo que estão de acordo com os termos de uso do Instagram e que nada vai acontecer de errado com sua conta se você utilizar. Ledo engano.

O Instagram pode não bloquear a sua conta imediatamente e a qualquer tempo fazer isso. Não importa se passaram meses ou anos, a conta chega. Muitas contas com milhares de seguidores são bloqueadas gerando prejuízo para seus usuários. Claro que com muitos seguidores o robô já não é mais necessário, mas aquele empurrãzinho lá no início, pode virar um problemão no futuro.

Vale lembrar também que o uso de bot não é permitido em nenhuma circunstância: comentários automáticos, programação de postagens, tudo isso pode gerar bloqueio. Até mesmo a ação humana que se comporte semelhante a um robô, como por exemplo fazer diversos comentários em um curto espaço de tempo, não é bem vista pelo algorítmo.

 

Produtos falsificados ou com margem pra acharem isso

 

O anúncio de produtos falsificados, que possam confundir com uma marca registrada ou que simulem produtos de maior qualidade, como por exemplo bijuterias vendidas como “joias” podem levar a um bloqueio da sua conta no Instagram. Nesse caso, há duas políticas que se aplicam:

Você não pode fazer algo ilícito, enganoso, fraudulento ou com finalidade ilegal ou não autorizada.

Você não pode publicar informações privadas ou confidenciais de outra pessoa sem permissão ou fazer qualquer coisa que viole os direitos de outra pessoa, incluindo os direitos de propriedade intelectual (por exemplo, violação de direitos autorais, violação de marca comercial, falsificação ou bens pirateados).

Aí entra uma questão até ética e moral. A construção de uma marca forte que gera desejo nos consumidores leva anos e ao custo de muito investimento. Não é à toa que após esse investimento o produto fica mais fácil de ser vendido. Grandes marcas investem em anúncios pagos no Instagram/Facebook aí vem alguém, sem pagar nada ou pagando menos pro Mark Zuckerberg querer surfar nessa onda e vender um tênis da Nike ou Adidas a R$50,00? Não dá. A conta pode ser bloqueada e com toda razão.

 

Postar antes e depois

 

Programas de dietas e exercícios físicos normalmente costumam utilizar de comparativos de antes e depois. No entanto, há uma diretriz da comunidade que pode interpretar essa prática como incentivo a automutilição: 

Para que nosso ambiente seja acolhedor, não exalte a automutilação.

A comunidade do Instagram se preocupa com todos. Este costuma ser um lugar onde as pessoas que enfrentam problemas difíceis, como distúrbios alimentares, automutilação ou outros tipos de autoflagelação, se reúnem para gerar conscientização sobre o problema ou encontrar apoio.

[…] Incentivar ou solicitar que as pessoas pratiquem a automutilação vai contra esse ambiente de suporte. Caso esse tipo de comportamento seja denunciado, removeremos o conteúdo ou desativaremos as contas que o publicarem. Nós também podemos remover o conteúdo que identifique vítimas ou sobreviventes de automutilação caso esse conteúdo identifique as pessoas para fins de ataque ou de humor.

Como automutilação o Instagram considera qualquer agressão intencional e direta ao corpo, inclusive distúrbios alimentares. Ou seja, se você incentiva as pessoas a emagrecerem, indiretamente, você pode estar estimulando a bulimia e outros transtornos (para aqueles que sofrem disso).

Não é regra que o bloqueio irá acontecer, nem quando. A própria política é um pouco subjetiva quanto a isso – muitas pessoas ainda fazem isso e estão com contas ativas – mas é bom evitar, pois de fato acontece.

Copiar ou infrigir direitos autorais

 

Em 2018 a conta do Hugo Gloss no Instagram, blogueiro famoso por postar notícias do meio artístico,  foi bloqueada por infringir a diretriz sobre direitos autorais da rede social. Denúncias apontaram que ele se utilizava da imagem de programas televisivos e pessoas sem “permissão” ou sem os devidos créditos.

Você não pode publicar informações privadas ou confidenciais de outra pessoa sem permissão ou fazer qualquer coisa que viole os direitos de outra pessoa, incluindo os direitos de propriedade intelectual (por exemplo, violação de direitos autorais, violação de marca comercial, falsificação ou bens pirateados).

A conta ficou bloqueada por alguns dias e foi recuperada. Porém, depois disso, todas as imagens possuem seus devidos créditos.

 

Instagram Hugo Gloss

Excesso de hast tags #

 

Quem nunca viu um perfil que coloca tudo quanto é assunto na legenda em forma de # para disseminar o conteúdo? Tudo isso na tentativa de interferir ou afetar a operação pretendida do serviço. Marcam famosos, assuntos do momento, mesmo que isso não esteja relacionado ao seu conteúdo. Ou seja, o objetivo é simplesmente burlar o algorítimo para crescer mais rápido.

Você não pode fazer algo que interfira ou afete a operação pretendida do Serviço.

 

Mas eu não violei nenhum termo…

 

É o que eu mais ouço das pessoas que tiveram contas bloqueadas. Porém, como já foi falado, não existe uma relação de tempo entre o fazer e receber a punição. Pode ser que há dois anos atrás você tenha instalado um bot para conseguir seguidores e hoje, com 200k de seguidores, siga todas as diretrizes corretamente e tenha a conta bloqueada.

Mas isso não quer dizer que você não possa ter sua conta de volta. Você pode recorrer da decisão de bloqueio na central de ajuda. Mas esteja certo de que, se fez algo no passado que possa ter infringido as políticas, isso não está mais acontecendo e também não acontecerá novamente.

Nesse artigo eu ensino como recuperar uma conta desativada por violar os termos.

 

Como evitar que o Instagram me bloqueei novamente?

 

Leia atentamente as políticas e procure utilizar o Instagram para o objetivo ao qual foi proposto: oferecer oportunidades personalizadas de criar, conectar, comunicar, descobrir e compartilhar. Portanto, crie um conteúdo original e utilize a rede para esse fim. No mais fique atento a esses cuidados:

  • seguir as políticas;
  • cadastre a autenticação de 2 fatores;
  • preencha dados pessoais no cadastro do perfil como e-mail e telefone;
  • conecte o Instagram ao Facebook.

Gostou das dicas ou ainda ficou com dúvida? Deixe nos comentários!

Como criar anúncios para WhatsApp

Como criar anúncios para WhatsApp

Aplicativo globalmente utilizado de troca de mensagens, o WhatsApp se tornou essencial para a maioria das pessoas e também para as empresas. Prático, rápido e eficiente, têm substituído cada vez mais o e-mail, ligação telefônica e aplicativos de vídeo chamada. Um contato direto com o cliente, algo valioso para qualquer negócio.

Ao contrário das grandes empresas, que detém diversos meios de comunicação com o cliente, para muitos pequenos negócios o WhatsApp é a única ferramenta utilizada, por isso, criar anúncios em que o cliente possa clicar e ir direto para uma conversa com o vendedor é muito importante.

Existe um jeito simples de criar um anúncio dessa forma, sem ser o convencional do Facebook, que exige que você tem uma conta anúncios com milhares de reais gastos para permitir iniciar uma conversa diretamente pelo WhatsApp. É só seguir os passos:

Anúncios para whatsapp

1. Tenha uma conta no WhatsApp

Isso é óbvio mas não posso deixar de dizer. Você precisa ter um número com WhatsApp que será divulgado nos anúncios. Ou seja, tenha ciência que as mensagens chegarão nesse número para você. É aconselhável, mas não obrigatório, que seja uma conta comercial do WhatsApp Business.

2. Crie um link para o seu número

Esse talvez seja o passo mais importante do processo e super simples. Desde que foi criado o WhatsApp Web – aquele que a gente consegue abrir no computador sem precisar do aplicativo – existe a possibilidade de se criar um link para o seu número.

Ao clicar no link, tendo o aplicativo instalado em seu celular ele abre uma conversa. No computador, ele vai abrir a versão web para que você se conecte e envie uma mensagem.

Para criar o seu link você só precisa acessar o Convertte GO, inserir seu número com DDD e clicar em gerar link. Copie o link e guarde para utilizar no próximo passo.

Você pode ainda cadastrar uma mensagem padrão, para que o cliente não precise digitar nada. Use a criatividade escreva algo que facilite a comunicação, como: Olá, gostaria de solicitar um orçamento.

3. Crie campanhas de tráfego utilizando o link do WhatsApp

Pronto. Agora que você já tem um link para seu número, basta criar Campanhas de Tráfego utilizando esse link.

No Facebook, você precisa acessar seu gerenciador de anúncios e criar uma campanha com o objetivo de Tráfego.

No Google Ads, em campanhas inteligentes, você pode criar uma campanha com a meta de publicidade Gerar mais inscrições ou vendas pelo site.

4. Aguarde as mensagens chegarem e atenda seus clientes

Agora é só partir para o abraço! Atenda seus clientes e salve o contato deles para promoções futuras.

Precisa de ajuda para criar anúncios profissionais e divulgar sua empresa? Entre em contato com a gente!

Comunicação: quem são seus eleitores?

Comunicação: quem são seus eleitores?

Você já parou para pensar que a nossa forma de se comunicar muda conforme o nosso ouvinte? Quando conversamos com uma criança, por exemplo, em geral somos mais carinhosos e pacientes. Muitos até usam uma voz mais fina, imitando os bebês, não é mesmo? Em uma reunião de trabalho usamos de linguagem mais formal e com os amigos, informal e por aí vai…Com os eleitores não deve ser diferente.

Ao iniciar seu planejamento de marketing para um pleito, você deve ter em mente quem são os seus eleitores. Justamente para saber a quem direcionar sua comunicação.

Mas você poderá pensar: “ah, mas eu vou falar para todos os eleitores da cidade!”. E não deixa de ser verdade, porém, alguns podem criar rejeição ao candidato apenas por não se identificar com sua maneira de se portar e de se comunicar. Por isso, é importante observar, antes de construir o seu discurso, pelo menos, quem é a maioria.

Como identificar os eleitores

O Tribunal Superior Eleitoral – TSE divulga, ao final de cada eleição, todas as estatísticas relacionadas tanto aos candidatos, quanto aos eleitores. É possível extrair desses dados muitas informações importantes para o planejamento de campanha, por região, estado ou município, como por exemplo:

  • Idade e sexo dos eleitores
  • Idade e sexo dos candidatos
  • Presença e ausência de eleitores
  • Partidos com mais candidatos eleitos
  • Outros.

Para ter acesso as informações dos eleitores basta acessar as Estatísticas do Eleitorado  e selecionar os filtros desejados. Veja abaixo o exemplo da cidade de Montes Claros – MG.

estatísticas dos eleitores

Fonte: TSE

Como mostra a imagem, a faixa etária com maior número de eleitores é a de 45 a 59 anos, somando um total de 63.125 pessoas. Claro que esse número não garante uma eleição majoritária, mas, é possível eleger vários vereadores se essa quantidade for convertida em votos. Ou seja, um candidato que foque sua comunicação para atrair pessoas de 45 a 59 anos terá um público muito maior que outro que prefira direcionar seu discurso aos jovens de 16 a 20 anos, por exemplo.

Você concorda que, dificilmente, um mesmo discurso agradará a jovens de até 20 anos e adultos de 45 a 59? Se sim, você entendeu a importância de conhecer seu eleitorado e saber como se comunicar com ele. Agora é só praticar!

Kim, Zema e Bolsonaro: o que eles têm em comum?

Kim, Zema e Bolsonaro: o que eles têm em comum?

Kim Kataguiri, um jovem de 23 anos de idade, eleito Deputado Federal pelo Estado de São Paulo – o quarto mais votado – nas últimas eleições. É também o cofundador e coordenador do Movimento Brasil Livre – MBL, a favor do  impeachment de Dilma Rousseff. Kim  mobilizou o país em diversas manifestações, utilizando, principalmente a internet. Em outubro de 2015, a revista americana TIME classificou Kataguiri como um dos jovens mais influentes do mundo naquele ano.

Romeu Zema tem 54 anos, é empresário, proprietário de lojas de departamento e postos de gasolina e atual governador de Minas Gerais. Só apareceu no cenário político em vésperas de ano eleitoral. Foi eleito em 2018 Governador de Minas Gerais pelo partido NOVO com quase o dobro dos votos do segundo colocado, Antônio Anastasia (com extensa experiência e estrutura política – governador por 2 vezes e senador da república).

Jair Messias Bolsonaro, 64 anos, é um militar da reserva, político e atual presidente do Brasil. Filiado ao Partido Social Liberal, foi deputado federal por sete mandatos entre 1991 e 2018, sendo eleito através de diferentes partidos ao longo de sua carreira.

O que eles têm em comum?

Começando pelo óbvio, todos foram eleitos para cargos públicos nas eleições de 2018. No entanto, suas trajetórias de vida e carreira são bem distintas. Kim e Zema nunca ocuparam cargos públicos de cunho político antes de serem eleitos, nem possuíam grandes apoios de lideranças na política ao se elegerem. Bolsonaro, por outro lado, apesar de ter sido deputado “a vida inteira”, seu partido não tinha grande representação no governo, considerado por muitos jornalistas como “sigla nanica” até sua ascensão, com a eleição de Bolsonaro para presidente.

Outra característica comum é que nenhum deles possuíam grandes estruturas de campanha. Sabemos que isso faz ou fazia bastante diferença há algum tempo para o sucesso nas eleições. Quanto mais recursos, maiores as chances de levar a sua mensagem e convencer as pessoas a votarem em você. O Partido NOVO, de Romeu Zema, por exemplo, mobilizou-se para pedir doações ao partido, defendendo a realização da campanha sem utilização do dinheiro público. Bolsonaro, gastou menos que seu orçamento e fez doações do seu saldo de campanha.

Logo, o que pode ter levado os três a terem sucesso no pleito de 2018? 

As estratégias de marketing político, talvez.

A resposta não é tão simples, claro que envolve diversos fatores, inclusive a situação política-econômica do Brasil na época e o discurso de cada um. Mas, podemos observar pelo menos 2 características fortes de suas estratégias de campanha que, certamente foram determinantes para a vitória:

1. Se posicionarem como “a mudança“: Kim e Zema não eram políticos, portanto esse posicionamento caiu como uma luva para eles. Em meio a tantos escândalos de corrupção, eles poderiam ser a salvação, vistos que ainda não tinham sido “contaminados pelo meio politico”.

Já Bolsonaro usou da estratégia de combate, criticando veementemente seus colegas de profissão para mostrar que não compactuava com os “inimigos da nação” e por isso era diferente.

2. Mobilizar as pessoas através da internet: Os três candidatos investiram pesado na divulgação de suas ideias na internet. Não apenas em suas próprias páginas. Eles conseguiram fazer com que as pessoas propagassem, antes mesmo de serem candidatos, suas ideias. Prova disso é que Kim Kataguiri, em pleno período eleitoral se revoltou contra o Facebook por derrubar páginas relacionadas ao MBL. Foram removidas 196 páginas e 87 perfis na rede social como parte da política de combate à disseminação de notícias falsas. De acordo com o candidato e seus apoiadores, de maneira injusta.

Portanto, o que pode se concluir é que a forma de trabalhar o marketing político tem mudado e quem não se atentou a isso, talvez até tenha tido êxito, porém com maior dificuldade. E é bem provável que essa tendência continue.

E é simples notar o motivo. Os comportamentos mudaram, as gerações nascidas na era da informação têm a internet como parte do seu dia a dia e fonte de conhecimento para quase tudo. Atualmente, essas pessoas são a maioria da população brasileira. Basta observar a pirâmide etária de 2018, segundo dados do IBGE:

pirãmide etária 2018 - marketing politico

Ou seja, conseguir o voto dessas pessoas é conseguir o voto da maioria dos brasileiros. Encontrá-los parece ser fácil, eles estão na internet. Convencê-los já é outra história…E para isso você precisa conhecer melhor esse ambiente que é a internet e saber como utilizá-lo ao seu favor. Para e ajudar nessa tarefa criamos o Guia Prático de Marketing Político Digital. Garanta já o seu.

Tem dúvidas ou deseja receber alguma orientação sobre marketing político? Envie-nos uma mensagem!

[wpforms id=”713″]